Quer empreender nos Estados Unidos na área de moda e não sabe por onde começar? Um dica: Nade contra a maré

Vivemos no fast fashion sem ao menos perceber, morando em New York então, a selva de pedra aumenta nosso desejo em comprar tudo o que vemos pela frente com tantas opções e variedades. São promoções, cupons de descontos, propagandas, vitrines apaixonantes e letreiros luminosos que nos influenciam ao consumo massivo e desenfreado.

Portanto, como criar sua empresa no setor do varejo de moda e competir com as centenárias e gigantes do alto luxo ou as cadeias de fast fashion como H&M, Forever 21, Primark (que inaugura sua primeira loja em NY ainda no primeiro semestre desse ano), ou a Zara por exemplo, que é controlada pelo grupo Europeu INDITEX e eleita em 2016 a 53º marca mais valiosa do mundo, faturando grande parte da receita do grupo que foi de € 20,9 bilhões, segundo a revista Forbes.

Realmente vendo todos esses números expressivos, estilistas, empresários e investidores brasileiros podem ficar intimidados em abrir seu próprio negócio ou trazer sua marca para os EUA, mas alguns exemplos de brazucas que fincaram a bandeira por aqui como Osklen, Schultz, Carmen Steffans e a marca de roupas fitness Labellamafia, mostram o contrário e veem ampliando seus negócios fora do país.

A Labellamafia por exemplo, com lojas próprias em Miami, Amsterdã, Barcelona, Moscou, Cidade do México, Cali e Caracas, está programado para o primeiro semestre de 2017 a abertura de lojas na Alemanha e Costa Rica.

Se você não tem anos de mercado ou inspire-se em nomes brasileiros mais recentes na moda como Layanna Tomaz e a marca Pholosophée que possui uma identidade sustentável e ambas estão em um crescente no mercado internacional.

Para quem pretende começar do zero no competitivo mercado fashion? Segue uma dica, um assunto com um gráfico cada vez mais crescente e que não é de hoje que vem sendo falado nos meios de comunicação, é a SUSTENTABILIDADE, essa palavra já se tornou parte do nosso vocabulário e na moda não é diferente, o fast fashion gerou uma mudança de consumo no mundo que é recente na história da indumentária.

Para esse processo de produção tão rápido (fast – fashion) e cada vez apresentando mini coleções com diversidade de produtos e com preços cada vez menores, alguma parte dessa cadeia sofre com essa mudança e como na maioria das vezes o pior fica com os país do terceiro mundo.

Começando com a alteração genética do algodão para a produção de tecidos, produto muito utilizado não só pelo setor de vestuário e acessórios de moda, mas de decoração, automobilístico e outros consumidores dessa matéria prima, centenas de milhares de agricultores sofrem com o excesso de agrotóxicos para a rápida colheita. Outra alteração na indústria da moda é a utilização de mão de obra escrava dos país do Ocidente aonde mulheres trabalham uma carga horária desumana e ganham em média dez dólares por mês. Aterros sanitários são produzidos cada vez mais, já que segundo pesquisas, apenas uma das dez roupas que não queremos mais é reutilizada, a maior parte vai para os aterros ou voltam em doações para os país pobres.

Com esse caos que o fast fashion vem causando no mundo, porque não unir forças e empreender nesse ramo, investindo em produtos inteligentes como os tecidos high tech e algodão orgânico, a não utilização de couro animal ou peles ameaçadas de extinção, manter parcerias com ongs que lutam por essas causas, produzir em fabricas conscientes que reutilizem água e que tenham projetos contra poluição e claro, a não utilização da mão de obra escrava.

Muitas marcas veem surgindo nesse mercado e outras marcas vão se adaptando com minicoleções ou produtos específicos como a gigante Adidas que criou um tênis com material reciclado de oceanos, esses tênis foram feitos de fios e filamentos recuperados do lixo marinho. Já a Dr. Martens lançou uma coleção de botas em um couro vegan resistente, no mesmo estilo das famosas botas de couro animal e com a mesma resistência.

É possível criar ou adequar a sua marca para colocar em prática o seu sonho de empreender na área de moda internacional, com planejamento bem feito, muito trabalho e dedicação e muita pesquisa de mercado. Aqui mesmo no site do BBU você encontra as diferenças entre abrir um negócio no Brasil e nos USA, que irão te ajudar a empreender no seu sonho.  (clique aqui para saber mais http://brazilianbusinessusa.com/7-diferencas-entre-negocios-brasileiros-x-americanos/ )

Lembre-se que todo começo é difícil, mas daqui a dez anos você irá se arrepender de não ter começado agora. Acredite e faça acontecer. A sustentabilidade é o futuro das nossas gerações.

Até a próxima

Deixe sua opinião aqui:

Fabiana Rosestolato Ferreira
Bacharel em Design de Moda com 10 anos de experiência no setor varejista Rio x NY
Viagens de pesquisa de tendências nas grandes capitais fashion e apaixonada por empreendedorismo e planejamento númerico na área de compras com MBA em Business em Negócios de Moda. Atualemente em busca de um estilo de vida e consumo sustentável e consciente.
Fabiana Rosestolato Ferreira on EmailFabiana Rosestolato Ferreira on FacebookFabiana Rosestolato Ferreira on Instagram